Assembleia Municipal de Lisboa
*
68ª reunião AML - 12 de Maio 2015
AML homenageia investigador Luiz Alberto Mendes-Victor
13-05-2015 AYMN (PAL) // JLG, LUSA
evocação do Professor Carlos Sousa Oliveira

Assinalando-se os 260 anos do terramoto de 1755, a Assembleia Municipal de Lisboa homenageou Luiz Alberto Mendes-Victor através de um voto, em presença da sua família, e da sua evocação feita por Carlos Sousa Oliveira, que deixou um apelo ao poder politico, "em palavras que poderiam ser de Mendes-Victor, tomemos o Nepal como exemplo. Os terramotos não se compadecem com o calendário politico, há que apostar na prevenção já".

Carlos Sousa Oliveira, Professor especialista de Engenharia Sísmica, lembrou a capacidade de do Professor Mendes-Victor para juntar a geografia, história, arquitectura, ciências básicas da engenharia e sismologia, em todo o seu trabalho, mencionando ainda o primeiro simulador sísmico de Lisboa, feito sob a sua orientação.

O especialista salientou pela positiva várias iniciativas da CML, "seguindo de perto os principais ideais pelos quais tanto pugnou Mendes-Victor", tais como: "parcerias com universidades e laboratórios de estado para mitigação de riscos, avaliação da vulnerabilidade sísmica do concelho, estratégias para a reabilitação dos edifícios vulneráveis, redefinição das áreas inundáveis em Lisboa, ou seja, no fundo, uma revisão do actual PDM".

Porém, ao terminar a sua evocação, Carlos Sousa Oliveira afirmou-se convicto de que "estivesse o Professor cá, e teria certamente já partido para o Nepal".
"Os terramotos", avisou, "não se compadecem com o calendário politico" das eleições. Há que apostar na prevenção.

"E tenho de deixar um apelo ao poder politico." Afirmando falar com palavras que poderiam ser do professor Mendes-Victor, reforçou que, "a comunidade cientifica tem feito inúmeras sugestões desde o ano 2000, transmitindo ao poder politico e às empresas de construção o que pode acontecer em caso de um sismo de intensidade moderada ou forte em Lisboa.
Infelizmente, os apelos têm caído em saco roto. Apenas a CML tem sido pioneira no desenvolvimento de vários trabalhos, que espero continuem a ser apoiados, para que Lisboa não seja palco de alguma fatalidade como no passado".

O voto de homenagem da AML foi subscrito pela presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Helena Roseta, e pelos restantes deputados municipais, de forma a reconhecer o “extraordinário legado do professor Luiz Alberto Mendes-Victor para a prevenção e protecção da cidade de Lisboa contra catástrofes naturais”.

Com a aprovação do documento, a Assembleia Municipal recomenda à Câmara de Lisboa “que pondere, em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica, a instituição de uma iniciativa conjunta, sob o nome do Professor Mendes-Victor, destinada a incentivar a investigação neste domínio de crucial importância para Lisboa e para Portugal”.

Professor universitário da Universidade de Lisboa, Luiz Alberto Mendes-Victor dedicou mais de 40 anos à investigação nas diversas áreas da geofísica, tendo sido diretor do Instituto Geofísico Infante Dom Luiz e presidente do Instituto de Ciências da Terra e do Espaço.

Foi também diretor-geral do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (1977-1987), presidente do conselho de coordenação científica do Centro Universitário Europeu para o Património Cultural (Ravello) e presidente do Comité Consultivo Europeu para a Avaliação da Previsão de Sismos, do Conselho da Europa.

Em 1996 recebeu a Medalha Sergey Soloviev, da Sociedade Europeia de Geofísica, e em 2005 foi agraciado com o grau de comendador da Ordem de Santiago de Espada.

“Ao longo de toda a sua brilhante carreira, Luiz Alberto Mendes-Victor sempre revelou a sua preocupação com o sofrimento humano causado por catástrofes naturais e a importância de uma aplicação integrada do conhecimento geofísico para prevenir e minimizar os seus efeitos, mediante uma abordagem interdisciplinar e cooperação internacional”, refere o voto de saudação.

Mendes-Victor morreu no final de Março de 2013, aos 81 anos.